No data was found

VÍDEO: organização criminosa investigada em Vilhena roubava cargas, mantinha motoristas reféns e causou prejuízo de R$ 100 milhões

86ebc51925c24724888054a7f1130ef3

Ação conjunta da PRF com a Polícia Civil cumpriu mandados judiciais na cidadeConforme antecipado pelo FOLHA DO SUL ON LINE, a assessoria da PRF emitiu nota dando detalhes de uma ação deflagrada hoje em cidades de vários Estados, inclusive em Vilhena, onde mandados judiciais foram cumpridos com o apoio da Polícia Civil na manhã desta quinta-feira, 30.

Segundo o informe policial, a investigação contra uma organização criminosa que atuava em 08 Estados começou ha cerca de um ano. São vários os crimes atribuídos aos suspeitos, incluindo roubo de cargas e receptação de caminhões.

Segundo a PRF, ao longo dos últimos cinco anos, a organização criminosa causou prejuízos de R$ 100 milhões, inclusive a pessoas de boa fé, que contratavam fretes e tinham suas cargas desviadas pela quadrilha, que também é acusada de manter reféns os motoristas dos veículos roubados.

CLIQUE ABAIXO e assista vídeo da ação dos agentes da PRF em Vilhena e leia a nota na íntegra:

Em Vilhena/RO, a Polícia Rodoviária Federal, em Operação Conjunta com a Polícia Civil/RO, executa mandado de Busca e Apreensão.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Vilhena, no início da manhã do dia 30/06/2022, cumpriu, com a Polícia Civil/RO, um (01) mandado de Busca e Apreensão em residência.

A ação foi desencadeada em virtude da Força Tarefa entre Polícia Civil de Goiás (PCGO) e Polícia Rodoviária Federal (PRF), que deflagrou, em 30/06/2022, a OPERAÇÃO ZAYN, que desarticula organização criminosa que atuava em 08 (oito) estados.

Integrantes da Polícia Rodoviária Federal e da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Cargas lideraram os levantamentos, que individualizaram as condutas, identificaram bens e patrimônios da organização criminosa e coletaram evidências. Após cerca de um ano de investigações e levantamentos de inteligência policial, foi identificada organização criminosa responsável por dezenas de crimes cometidos em vários estados, tais como:

Roubos e furtos de cargas;

Roubo dos veículos de carga;

Roubo com emprego de arma de fogo;

Cárcere privado;

Uso de documento falso;

Falsidade ideológica;

Adulteração de veículos automotores;

Receptação qualificada;

Furto mediante fraude;

Organização criminosa e  lavagem de capitais.

Hoje foram executados, 44 mandados judiciais de busca e apreensão para pessoas físicas e jurídicas, bem como foram expedidos 56 mandados de busca e apreensão para veículos, que estão proibidos de circular.

As medidas cautelares foram executadas em 08 (oito) estados: Goiás; São Paulo; Tocantins; Rio Grande do Sul, Maranhão, Paraná, Mato Grosso do Sul e Rondônia. Esse não é o único golpe desferido contra o crime organizado. As outras fases da Operação ZAYN prenderam mais de 40 criminosos, recuperaram quase uma centena de veículos e identificaram dezenas de caminhões e carretas fraudadas. Estima-se que o grupo seja responsável por dezenas de fraudes e roubos em todo o país, com volume de perdas estimado em R$ 100 milhões de reais nos últimos 5 (cinco) anos.

PREJUÍZO AO LONGO DE 05 ANOS (2017 A 2022) R$ 100.000.000,00 (CEM MILHÕES DE REAIS).

A ORCRIM migrou recentemente de atuação. Roubos com emprego de violência foram substituídos por fraudes mais sofisticadas, com registros fraudulentos de furtos e roubos a carga em órgãos policiais e junto a seguradoras. Fraudes e adulterações em veículos roubados continuaram ocorrendo, com modificação dos identificadores veiculares (como chassis e números de motor) e registro ilícito nos Departamentos de Trânsito nos estados, com posterior revenda dos veículos adulterados, muitas vezes para terceiros de boa-fé.

Outra estratégia da ORCRIM era, com uso de caminhões previamente adulterados, ofertar fretes para empresários que, acreditando-se tratar de pessoas honestas, carregavam suas cargas. A ORCRIM, então, simplesmente desviava as cargas, lucrando com o prejuízo da coletividade.

Esses crimes são possíveis pelas ações mais complexas praticadas por criminosos com posição diferenciada nas ORCRIM, que atuam na receptação e na lavagem de dinheiro. O objetivo da presente fase foi exatamente atacar esse núcleo superior.

Tendo em vista a deflagração da operação, foi utilizado o seguinte quantitativo operacional: 120 Policiais Rodoviários Federais; 50 Policiais Civis, incluindo delegados, escrivães e agentes; 45 Viaturas. A operação foi intitulada “ZAYN” em referência ao nome de origem árabe, que significa “perfeição”, “graciosidade”. Ilustra-se a percepção que os integrantes da ORCRIM tinham sobre as ações criminosas, que acreditavam serem perfeitas, sem vestígios e impossíveis de serem descobertas pela ação policial – um feliz engano, como demonstra o sucesso da força-tarefa entre PRF e PCGO.

 

 

Fonte: Folha do Sul

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Notícias relacionadas

Produtos

No data was found