No data was found

Astronave deve colidir com asteroide para ‘salvar’ Terra; entenda

e6d91aa0-f599-11e9-a637-55ab3eff851b-pr3wyo31tklpq1v0lj9a7gw6i29ihp7qh2mobr47ei

Astronave deve colidir, em setembro, com asteroide para salvar a Terra;

Estima-se que o corpo celeste possa, no futuro, colidir fatalmente com o nosso planeta;

Entretanto, ‘encontrão’ pode ser mais violento do que o esperado e deformar o corpo celeste.

Uma astronave deve colidir, em setembro deste ano, com um pequeno asteroide chamado Dimorphos para salvar a Terra. A ideia é dar um ‘tranco’ nele, de forma a evitar que, no futuro, haja uma colisão violenta e possivelmente fatal entre ele e nosso planeta.

A missão de nome DART (Teste de redirecionamento de asteroide duplo, na sigla em inglês) é liderada pela NASA (Agência Espacial norte-americana) e foi lançada em novembro de 2021. O Dimorphos é companheiro de um asteroide maior chamado Didymos e, por meio do ‘encontrão’ com a astronave, sua órbita a longo prazo será mudada.

Entretanto, o plano pode ser bem mais violento do que o imaginado. Segundo um novo estudo feito por pesquisadores da Universidade de Berna e do Centro Nacional de Competência em Pesquisa (NCCR) PlanetS, o teste pode deformar o Dimorphos de forma bastante drástica.

Sabina Raducan, principal autora do estudo, aponta que “ao contrário do que se pode imaginar quando pensamos em um asteroide”, o Dimorphos “pode ter uma estrutura interna muito solta — como uma pilha de escombros — unida por interações gravitacionais e pequenas forças coesivas”.

Isso vai contra o previsto durante as simulações anteriores da DART, que assumiam que o corpo celeste possuía uma estrutura interna mais sólida. “Isto pode mudar drasticamente o resultado da colisão, que está programada para acontecer em setembro”, diz Raducan.

Consequências

Em vez de criar uma pequena cratera no asteroide, o impacto da astronave – a uma velocidade de 14 mil km/h – pode deformá-lo completamente. A órbita do Dimorphos também deve ser afetada de forma mais severa e sua superfície deve ejetar uma quantidade de material muito maior do que a esperada.

“Uma das razões pelas quais esse cenário de uma estrutura interna frouxa até agora não foi completamente estudado é que os métodos necessários não estavam disponíveis”, explica Raducan. Entretanto, isso está para mudar. “Com nossa nova abordagem de modelagem, que considera a propagação das ondas de choque, a compactação e o subsequente fluxo de material, fomos pela primeira vez capazes de modelar todo o processo de formação de crateras resultante de impactos em pequenos asteroides como Dimorphos”.

Em 2024, a Agência Espacial Europeia enviará uma sonda espacial para o asteroide, de forma a investigar, visualmente, as consequências do impacto da DART.

Este é o primeiro teste de defesa planetária em grande escala contra impactos de asteroides. Apesar de nenhum oferecer perigo eminente no atual cenário, as agências espaciais visam estudar meios de defender a Terra contra possíveis colisões, afinal, estima-se que sessenta e seis milhões de anos atrás tenha sido um asteroide o responsável pela extinção dos dinossauros.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Notícias relacionadas

Produtos

No data was found